LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. (Parcial)

Acessos: 128

 

LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998.

CAPÍTULO V

DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

Seção I

Dos Crimes contra a Fauna

Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida:

Pena - detenção de seis meses a um ano, e multa.

§ 1º Incorre nas mesmas penas:

I - quem impede a procriação da fauna, sem licença, autorização ou em desacordo com a obtida;

II - quem modifica, danifica ou destrói ninho, abrigo ou criadouro natural;

III - quem vende, expõe à venda, exporta ou adquire, guarda, tem em cativeiro ou depósito, utiliza ou transporta ovos, larvas ou espécimes da fauna silvestre, nativa ou em rota migratória, bem como produtos e objetos dela oriundos, provenientes de criadouros não autorizados ou sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente.

Art. 30. Exportar para o exterior peles e couros de anfíbios e répteis em bruto, sem a autorização da autoridade ambiental competente:

Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.

Art. 31. Introduzir espécime animal no País, sem parecer técnico oficial favorável e licença expedida por autoridade competente:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

§ 1º Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.

§ 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.

Art. 33. Provocar, pela emissão de efluentes ou carreamento de materiais, o perecimento de espécimes da fauna aquática existentes em rios, lagos, açudes, lagoas, baías ou águas jurisdicionais brasileiras:

Pena - detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas cumulativamente.

Art. 34. Pescar em período no qual a pesca seja proibida ou em lugares interditados por órgão competente:

Pena - detenção de um ano a três anos ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Seção II

Dos Crimes contra a Flora

Art. 38. Destruir ou danificar floresta considerada de preservação permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção:

Pena - detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Art. 39. Cortar árvores em floresta considerada de preservação permanente, sem permissão da autoridade competente:

Pena - detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Art. 40. Causar dano direto ou indireto às Unidades de Conservação e às áreas de que trata o art. 27 do Decreto nº 99.274, de 6 de junho de 1990, independentemente de sua localização:

Pena - reclusão, de um a cinco anos.

§ 2o A ocorrência de dano afetando espécies ameaçadas de extinção no interior das Unidades de Conservação de Proteção Integral será considerada circunstância agravante para a fixação da pena.

Art. 41. Provocar incêndio em mata ou floresta:

Pena - reclusão, de dois a quatro anos, e multa.

Art. 42. Fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano:

Pena - detenção de um a três anos ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Art. 44. Extrair de florestas de domínio público ou consideradas de preservação permanente, sem prévia autorização, pedra, areia, cal ou qualquer espécie de minerais:

Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

Art. 45. Cortar ou transformar em carvão madeira de lei, assim classificada por ato do Poder Público, para fins industriais, energéticos ou para qualquer outra exploração, econômica ou não, em desacordo com as determinações legais:

Pena - reclusão, de um a dois anos, e multa.

Art. 46. Receber ou adquirir, para fins comerciais ou industriais, madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem exigir a exibição de licença do vendedor, outorgada pela autoridade competente, e sem munir-se da via que deverá acompanhar o produto até final beneficiamento:

Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

Parágrafo único. Incorre nas mesmas penas quem vende, expõe à venda, tem em depósito, transporta ou guarda madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem licença válida para todo o tempo da viagem ou do armazenamento, outorgada pela autoridade competente.

Art. 48. Impedir ou dificultar a regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação:

Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

Art. 49. Destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia:

Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Art. 50. Destruir ou danificar florestas nativas ou plantadas ou vegetação fixadora de dunas, protetora de mangues, objeto de especial preservação:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

Art. 50-A. Desmatar, explorar economicamente ou degradar floresta, plantada ou nativa, em terras de domínio público ou devolutas, sem autorização do órgão competente:

Pena - reclusão de 2 (dois) a 4 (quatro) anos e multa.

§ 1o Não é crime a conduta praticada quando necessária à subsistência imediata pessoal do agente ou de sua família.

§ 2o Se a área explorada for superior a 1.000 ha (mil hectares), a pena será aumentada de 1 (um) ano por milhar de hectare.

Art. 51. Comercializar motosserra ou utilizá-la em florestas e nas demais formas de vegetação, sem licença ou registro da autoridade competente:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

Art. 52. Penetrar em Unidades de Conservação conduzindo substâncias ou instrumentos próprios para caça ou para exploração de produtos ou subprodutos florestais, sem licença da autoridade competente:

Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

Seção III

Da Poluição e outros Crimes Ambientais

Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

§ 2º Se o crime:

I - tornar uma área, urbana ou rural, imprópria para a ocupação humana;

II - causar poluição atmosférica que provoque a retirada, ainda que momentânea, dos habitantes das áreas afetadas, ou que cause danos diretos à saúde da população;

III - causar poluição hídrica que torne necessária a interrupção do abastecimento público de água de uma comunidade;

IV - dificultar ou impedir o uso público das praias;

V - ocorrer por lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos:

Pena - reclusão, de um a cinco anos.

§ 3º Incorre nas mesmas penas previstas no parágrafo anterior quem deixar de adotar, quando assim o exigir a autoridade competente, medidas de precaução em caso de risco de dano ambiental grave ou irreversível.

Art. 55. Executar pesquisa, lavra ou extração de recursos minerais sem a competente autorização, permissão, concessão ou licença, ou em desacordo com a obtida:

Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.

Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre quem deixa de recuperar a área pesquisada ou explorada, nos termos da autorização, permissão, licença, concessão ou determinação do órgão competente.

Art. 56. Produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar, fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou nos seus regulamentos:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

§ 1º Nas mesmas penas incorre quem abandona os produtos ou substâncias referidos no caput, ou os utiliza em desacordo com as normas de segurança.

§ 2º Se o produto ou a substância for nuclear ou radioativa, a pena é aumentada de um sexto a um terço.

Art. 60. Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes:

Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Art. 61. Disseminar doença ou praga ou espécies que possam causar dano à agricultura, à pecuária, à fauna, à flora ou aos ecossistemas:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

Consulte a lei na íntegra no site www.planato.gov.br ou no site do IBAMA.

Leis Normas Portarias do Mundo Animal Pet/Veterinário.

Animais em condomínio - Análise Jurídica

Animais em condomínio - Análise Jurídica

Uma analise jurídica sobre o direito do proprietário de ter animal em apartamento. Se o proprietário esta sendo assediado, pode processar quem que seja por assédio moral.  Por Ana Rita Tavares advogada e consultora jurídica, integrante da ONG...
Cartilha "Adote um amigo animal"

Cartilha "Adote um amigo animal"

{jcomments on}Baixe a Cartilha "Adote um amigo animal" da Ampara Animal, para seu filho colorir. A ampara animal é uma organização não governamental (ONG) de proteção animal, cuja missão é atuar de modo preventivo na transformação da realidade em...
Código de Ética de Médico Veterinário.

Código de Ética de Médico Veterinário.

Código de Ética de Médico Veterinário. RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007. RESOLUÇÃO Nº 722, DE 16 DE AGOSTO DE 2002. Aprova o Código de Ética do Médico Veterinário. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA - CFMV, no uso das atribuições...
Código de Ética Profissional Zootécnico.

Código de Ética Profissional Zootécnico.

RESOLUÇÃO Nº 413, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1981. Código de Ética Profissional Zootécnico. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Art. 16, alínea "f", da Lei nº 5.517, de 23.10.68 e tendo em...
Código de Processo Ético-Profissional no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs.

Código de Processo Ético-Profissional no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs.

RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007. Código de Processo Ético-Profissional no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs. Baixar em PDF     RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007.Aprova o Código de Processo Ético-Profissionalno âmbito do Sistema...
Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Declaração Universal dos Direitos dos Animais Todos os animais têm o mesmo direito à vida.     Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção do homem. Nenhum animal deve ser maltratado.     Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu...
Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco – ONU

Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco – ONU

Baixar arquivo em PDF   Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco – ONU(Bruxelas – Bélgica, 27 de janeiro de 1978) Preâmbulo: Considerando que todo o animal possui direitos; Considerando que o desconhecimento e o desprezo desses direitos...
Decreto 19432 De 1 de Janeiro de 2001 - Proíbe Vivissecção e Práticas Cirúrgicas Experimentais nos Estabelecimentos Municipais

Decreto 19432 De 1 de Janeiro de 2001 - Proíbe Vivissecção e Práticas Cirúrgicas Experimentais nos Estabelecimentos Municipais

  O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, baseado na Lei Federal no. 9.605 art. 32, de 12/02/98 regulamentada pelo decreto 3.179 de 21/09/99 e que prevê detenção de três meses a um ano, e multa "a quem" praticar ato...
Decreto 4.645 de 10 de Junho de 1934

Decreto 4.645 de 10 de Junho de 1934

  Estabelece medidas de proteção aos animais. O Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, usando das atraibuições que lhe confere o artigo 1º do Decreto 19.398 de 11 de Novembro de 1930, Decreta: Art. 1º - Todos os...
Direito do consumidor é o que normatiza plano de saúde para animal

Direito do consumidor é o que normatiza plano de saúde para animal

  Por Fernando Henrique Rossi Na última década, os animais de estimação têm obtido cada vez mais espaço no âmbito familiar, nas gôndolas de supermercados e lojas especializadas e no mercado de prestadores de serviço — visto que se oferece desde...
Guia Crianças Pets - Como aproveitar o melhor dessa relação

Guia Crianças Pets - Como aproveitar o melhor dessa relação

A boa convivência da família com o seu pet é fundamental para inserir o animal na rotina diária de sua nova casa. Para desmitificar alguns temas como a impossibilidade de se ter um cão ou gato quando há crianças pequenas ou grávidas na residência,...
Lei 6638, de 08 de maio de 1979 - Normas para a Prática Didático-científica da Vivissecção de Animais

Lei 6638, de 08 de maio de 1979 - Normas para a Prática Didático-científica da Vivissecção de Animais

Normas para a Prática Didático-científica da Vivissecção de Animais Art. 1 - Fica permitida, em todo o território nacional, a vivissecção de animais, nos termos desta Lei. Art. 2 - Os boieiros e os centros de experiências e demonstrações com...
Lei Nº 13.131 de 18 de Maio de 2001

Lei Nº 13.131 de 18 de Maio de 2001

Lei Nº 13.131 de 18 de Maio de 2001 (Projeto de Lei Nº 116/2000, do Vereador Roberto Tripoli) Disciplina a criação, propriedade, posse, guarda, uso e transporte de cães e gatos no Município de São Paulo. Baixar documento da lei 13.131 em PDF...
Lei Nº 15.316, de 23/01/2014 Proíbe a utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos e de higiene pessoal, perfumes e seus componentes e dá outras providências

Lei Nº 15.316, de 23/01/2014 Proíbe a utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos e de higiene pessoal, perfumes e seus componentes e dá outras providências

(Projeto de lei nº 777/13, do Deputado Feliciano Filho – PEN) Proíbe a utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos e de higiene pessoal, perfumes e seus componentes e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO...
LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. (Parcial)

LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. (Parcial)

  LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. CAPÍTULO V DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE Seção I Dos Crimes contra a Fauna Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida...
Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

Manual de Responsabilidade Técnica e legislação do CRMV de São Paulo. Clique na imagem abaixo para baixar em PDF.     Usuário Nome de usuário é o nome que vc vai escolher para seu login (acesso ao site), ou seja é o seu apelido no site.Ex: joaosp10,...
Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

  Manual de Responsabilidade Técnica e legislação do CRMV de São Paulo. Clique na imagem abaixo para baixar em PDF.       Usuário Nome de usuário é o nome que vc vai escolher para seu login (acesso ao site), ou seja é o seu apelido no site.Ex: joaosp10,...
Manual Juridíco de Proteção Animal

Manual Juridíco de Proteção Animal

Recentemente foi disponibilizado pelo deputado Ricardo Tripoli o Manual Jurídico de Proteção Animal. Acreditamos ser esta uma importante ferramenta, tanto para os defensores dos animais como  também para a população em geral, ou até mesmo para advogados...
Portaria n.º 117/97 - Legislação Ambiental Brasileira.

Portaria n.º 117/97 - Legislação Ambiental Brasileira.

Portaria n.º 117/97 - Legislação Ambiental Brasileira. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Portaria N.º 117 de 15 de outubro de 1997 O...
Proteção animal tem decisão judicial sem precedentes

Proteção animal tem decisão judicial sem precedentes

Em Ilhabela, litoral paulista, a advogada Maria Fernanda Carbonelli Muniz conquistou na justiça um feito que desperta nos protetores de animais abandonados a esperança de acabar com o sofrimento dessas criaturas indefesas.Dra. Fernanda ingressou...
Topo