Direito do consumidor é o que normatiza plano de saúde para animal

Acessos: 149

 

Por Fernando Henrique Rossi

Na última década, os animais de estimação têm obtido cada vez mais espaço no âmbito familiar, nas gôndolas de supermercados e lojas especializadas e no mercado de prestadores de serviço — visto que se oferece desde passeadores até cuidadores, hotéis e casas de repouso especializadas, ou ainda serviços mais sofisticados como massagistas, terapeutas, acupunturistas e etc.

O mercado pet evoluiu juntamente com a relevância social desses companheiros domésticos, elevando-os ao status de “membro da família”. Diante deste fato até pouco tempo atrás, o Direito se viu obrigado a fazer suas adaptações, especialmente com o surgimento de algumas demandas, por exemplo, o pedido pela guarda de cães e gatos em separações e divórcios. Outra questão que poderá também vir a bater nas portas dos tribunais daqui a algum tempo são os popularmente conhecidos “planos de saúde pet”.

Antes de qualquer coisa, é bom deixar claro que, a par de concepções e anseios sociais, nos termos da legislação pátria, por mais importante e relevante que um animal de estimação possa ser, juridicamente, não deixa ele de ser um bem, um semovente como bem determina o artigo 82 do Código Civil e, portanto, compõe a esfera patrimonial do indivíduo e, juridicamente, salvo em situações excepcionais, devem eles ser analisados como tal.

Ressalto que não se trata de frieza ou tampouco indiferença, mas sim de uma análise técnica a respeito do tema. Assim, embora possam ser popularmente conhecidos como planos de saúde, estes, em verdade, oferecem um seguro patrimonial para cobertura assistencial de despesas veterinárias, não sendo, portanto, regulamentados pela ANS. E, uma vez não sendo um plano de saúde propriamente dito, também não se mostram sujeitos ao disposto na Lei 9.656/98, que regulamenta os planos de saúde.

Isso significa que não existe qualquer regulamentação específica?

A resposta é negativa, visto que, por se tratar de um contrato seguro ofertado por uma seguradora, ambos necessitam estar devidamente registrados junto a Superintendência de Seguros Privados (Susep), bem como respeitosos às suas regulamentações, sem contar o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), que atua também como órgão regulador de seguros privados, além de seguir o regime do Decreto Lei 73/66, que regula as operações de seguros privados.

É certo também afirmar que os contratantes deste seguro estarão menos amparados?

A resposta é igualmente negativa, pois, embora a comercialização se dê no sentido de ter o pet como beneficiário, quem figura como tal é o contratante, proprietário do animal, que terá seu patrimônio preservado, afinal, pensar em sentido contrário seria o mesmo que afirmar que seu carro é o beneficiário do seguro e não você.

Porquanto, sendo o titular do seguro também um consumidor do serviço, evidente também que qualquer abuso praticado ou contratualmente estabelecido pela seguradora poderá ser objeto de revisão e modulação nos termos do Código de Defesa do Consumidor, especialmente através de seus artigos 39, V e 51, IV, respectivamente.

Ressalta-se aqui que se fala de uma contratação de um seguro individual ou que tenha como objeto alguns animais integrantes de um mesmo núcleo familiar, excluindo-se os criadores, os quais, em razão de sua latente finalidade econômica apenas poderão ser configurados como consumidores caso se verifique sua vulnerabilidade dentro de cada caso concreto (teoria do finalismo aprofundado encabeçada pela professora Cláudia Lima Marques).

Ou seja, embora não exista uma legislação específica sobre os seguros destinados aos animais de estimação, não se deve olvidar que se mostram eles sujeitos aos ditames e regramentos previstos na legislação consumerista, os quais deverão ser respeitados e aplicados em seu mais alto rigor, visando coibir qualquer tipo de conduta exageradamente desequilibrada, como um aumento excessivo das mensalidades, ou ainda restrições indevidas de cobertura.

É importante, inclusive, frisar, que mesmo diante dos planos de saúde tradicionais, a jurisprudência, muitas vezes caminha no sentido de embasar suas decisões unicamente no CDC, como ocorre nos casos de cobertura de tratamentos a enfermidades que evolvam medicamentos experimentais ou ainda não homologados pela Anvisa. Nestes casos, os tribunais afirmam que privar o consumidor de uma cobertura mais abrangente e, portanto, mais benéfica em razão de travas administrativas o alocaria em posição extremamente desvantajosa (art. 51, IV), o que fere a equidade e, por via de consequência, a boa-fé (art. 4º, III).

Fato é que, diferentemente do ocorrido com os planos de saúde tradicionais, que, por sujeitos às normativas da ANS, as quais, por sua vez, estabelecem limites de reajustes e de cobertura mínima que acabam por servir de parâmetro ao julgador, no que tange ao seguro pet, tais parâmetros se mostram inexistentes, o que acarretará em uma maior subjetividade diante de cada caso concreto, podendo trazer alguns problemas ao jurisdicionado, especialmente no que tange à segurança jurídica, afinal, o que seria ou deixaria de ser abusivo ou excessivo estará sob o crivo do magistrado, que agirá nestes casos sem qualquer tipo de paradigma.

Igualmente, não se deve ignorar a relevância social dos animais de estimação que vêm se tornando cada dia mais intensa, não podendo, igualmente, o legislador brasileiro dar as costas a este aparente rumo social, lembrando que ainda não há na lei brasileira texto semelhante ao existente no Direito francês, que, em fevereiro de 2015, alterou seu Código Civil a fim de elevar o status dos animais de patrimônio para seres sencientes, ou seja, providos de sentimentos e, portanto, sujeitos de direitos.

Por fim, muito embora os animais ainda não possam ser tutelados como sujeitos de direito de acordo com a atual legislação, isto não significa que os contratos de “planos de saúde pet” se encontram a margem da lei, visto que o responsável contratante, o proprietário do animal não deixa de ser consumidor, devendo, assim, qualquer abuso ou irregularidade deve ser corrigida nos termos da legislação consumerista, ainda que venha a depender excessivamente da senciência do julgador, a qual se espera seja a melhor possível.

 é sócio no escritório Rabelo e Rossi Advogados Associados.

Fonte Conjur

Leis Normas Portarias do Mundo Animal Pet/Veterinário.

Animais em condomínio - Análise Jurídica

Animais em condomínio - Análise Jurídica

Uma analise jurídica sobre o direito do proprietário de ter animal em apartamento. Se o proprietário esta sendo assediado, pode processar quem que seja por assédio moral.  Por Ana Rita Tavares advogada e consultora jurídica, integrante da ONG...
Cartilha "Adote um amigo animal"

Cartilha "Adote um amigo animal"

{jcomments on}Baixe a Cartilha "Adote um amigo animal" da Ampara Animal, para seu filho colorir. A ampara animal é uma organização não governamental (ONG) de proteção animal, cuja missão é atuar de modo preventivo na transformação da realidade em...
Código de Ética de Médico Veterinário.

Código de Ética de Médico Veterinário.

Código de Ética de Médico Veterinário. RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007. RESOLUÇÃO Nº 722, DE 16 DE AGOSTO DE 2002. Aprova o Código de Ética do Médico Veterinário. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA - CFMV, no uso das atribuições...
Código de Ética Profissional Zootécnico.

Código de Ética Profissional Zootécnico.

RESOLUÇÃO Nº 413, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1981. Código de Ética Profissional Zootécnico. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Art. 16, alínea "f", da Lei nº 5.517, de 23.10.68 e tendo em...
Código de Processo Ético-Profissional no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs.

Código de Processo Ético-Profissional no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs.

RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007. Código de Processo Ético-Profissional no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs. Baixar em PDF     RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007.Aprova o Código de Processo Ético-Profissionalno âmbito do Sistema...
Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Declaração Universal dos Direitos dos Animais Todos os animais têm o mesmo direito à vida.     Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção do homem. Nenhum animal deve ser maltratado.     Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu...
Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco – ONU

Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco – ONU

Baixar arquivo em PDF   Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco – ONU(Bruxelas – Bélgica, 27 de janeiro de 1978) Preâmbulo: Considerando que todo o animal possui direitos; Considerando que o desconhecimento e o desprezo desses direitos...
Decreto 19432 De 1 de Janeiro de 2001 - Proíbe Vivissecção e Práticas Cirúrgicas Experimentais nos Estabelecimentos Municipais

Decreto 19432 De 1 de Janeiro de 2001 - Proíbe Vivissecção e Práticas Cirúrgicas Experimentais nos Estabelecimentos Municipais

  O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, baseado na Lei Federal no. 9.605 art. 32, de 12/02/98 regulamentada pelo decreto 3.179 de 21/09/99 e que prevê detenção de três meses a um ano, e multa "a quem" praticar ato...
Decreto 4.645 de 10 de Junho de 1934

Decreto 4.645 de 10 de Junho de 1934

  Estabelece medidas de proteção aos animais. O Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, usando das atraibuições que lhe confere o artigo 1º do Decreto 19.398 de 11 de Novembro de 1930, Decreta: Art. 1º - Todos os...
Direito do consumidor é o que normatiza plano de saúde para animal

Direito do consumidor é o que normatiza plano de saúde para animal

  Por Fernando Henrique Rossi Na última década, os animais de estimação têm obtido cada vez mais espaço no âmbito familiar, nas gôndolas de supermercados e lojas especializadas e no mercado de prestadores de serviço — visto que se oferece desde...
Guia Crianças Pets - Como aproveitar o melhor dessa relação

Guia Crianças Pets - Como aproveitar o melhor dessa relação

A boa convivência da família com o seu pet é fundamental para inserir o animal na rotina diária de sua nova casa. Para desmitificar alguns temas como a impossibilidade de se ter um cão ou gato quando há crianças pequenas ou grávidas na residência,...
Lei 6638, de 08 de maio de 1979 - Normas para a Prática Didático-científica da Vivissecção de Animais

Lei 6638, de 08 de maio de 1979 - Normas para a Prática Didático-científica da Vivissecção de Animais

Normas para a Prática Didático-científica da Vivissecção de Animais Art. 1 - Fica permitida, em todo o território nacional, a vivissecção de animais, nos termos desta Lei. Art. 2 - Os boieiros e os centros de experiências e demonstrações com...
Lei Nº 13.131 de 18 de Maio de 2001

Lei Nº 13.131 de 18 de Maio de 2001

Lei Nº 13.131 de 18 de Maio de 2001 (Projeto de Lei Nº 116/2000, do Vereador Roberto Tripoli) Disciplina a criação, propriedade, posse, guarda, uso e transporte de cães e gatos no Município de São Paulo. Baixar documento da lei 13.131 em PDF     Artigo...
Lei Nº 15.316, de 23/01/2014 Proíbe a utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos e de higiene pessoal, perfumes e seus componentes e dá outras providências

Lei Nº 15.316, de 23/01/2014 Proíbe a utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos e de higiene pessoal, perfumes e seus componentes e dá outras providências

(Projeto de lei nº 777/13, do Deputado Feliciano Filho – PEN) Proíbe a utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos e de higiene pessoal, perfumes e seus componentes e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO...
LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. (Parcial)

LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. (Parcial)

  LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. CAPÍTULO V DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE Seção I Dos Crimes contra a Fauna Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida...
Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

Manual de Responsabilidade Técnica e legislação do CRMV de São Paulo. Clique na imagem abaixo para baixar em PDF.     Artigo Artigos são textos com objetivo informativo a respeito de diversos temas, que são publicados no Portal ID O ID ou Login é um...
Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

Manual de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo.

  Manual de Responsabilidade Técnica e legislação do CRMV de São Paulo. Clique na imagem abaixo para baixar em PDF.       Artigo Artigos são textos com objetivo informativo a respeito de diversos temas, que são publicados no Portal ID O ID ou Login é um...
Manual Juridíco de Proteção Animal

Manual Juridíco de Proteção Animal

Recentemente foi disponibilizado pelo deputado Ricardo Tripoli o Manual Jurídico de Proteção Animal. Acreditamos ser esta uma importante ferramenta, tanto para os defensores dos animais como  também para a população em geral, ou até mesmo para advogados...
Portaria n.º 117/97 - Legislação Ambiental Brasileira.

Portaria n.º 117/97 - Legislação Ambiental Brasileira.

Portaria n.º 117/97 - Legislação Ambiental Brasileira. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Portaria N.º 117 de 15 de outubro de 1997 O...
Proteção animal tem decisão judicial sem precedentes

Proteção animal tem decisão judicial sem precedentes

Em Ilhabela, litoral paulista, a advogada Maria Fernanda Carbonelli Muniz conquistou na justiça um feito que desperta nos protetores de animais abandonados a esperança de acabar com o sofrimento dessas criaturas indefesas.Dra. Fernanda ingressou...
Topo